A Apple concordou em pagar US$ 25 para donos de iPhones prejudicados pela redução do poder de processamento em aparelhos antigos. Ao todo, a empresa vai desembolsar entre US$ 310 milhões e US$ 500 milhões. Estão aptos a receber a indenização moradores dos EUA que possuam iPhones 6, 6s Plus, 7, 7 Plus e SE com iOS 10.2.1 ou superior, desde que instalados antes de dezembro de 2017.

O acordo ainda precisa ser aprovado pela Justiça, em decisão que deve demorar alguns meses. A proposta feita pela Apple é para encerrar ação coletiva movida por consumidores, que acusam a companhia de intencionalmente reduzir a velocidade de iPhones antigos após o lançamento de novos modelos, para forçar a troca.

Os termos do acordo foram divulgados na última sexta-feira. Na segunda-feira, uma porta-voz da companhia limitou-se a indicar documentos incluídos no processo, nos quais a Apple nega as acusações, mas concorda em indenizar os consumidores para evitar custos judiciais. “O acordo não é uma admissão de irregularidades, falhas, responsabilidades ou danos de qualquer natureza”.
O caso remonta a 2017, quando alguns donos de iPhones perceberam que seus aparelhos tinham ficado mais lentos após a instalação de uma atualização do sistema operacional. A diferença de performance foi notada por sites de análise de performance, que mostravam resultados diferentes para o mesmo modelo de aparelho.

Com o escândalo montado, a companhia admitiu ter inserido na atualização do iOS 10.2.1 uma nova ferramenta, que intencionalmente reduzia o poder de processamento em aparelhos mais antigos, para, segundo a empresa, impedir que os smartphones desligassem inesperadamente. Com o passar do tempo, as baterias de íon-lítio perdem sua capacidade, e a redução visava aumentar a duração das cargas.

Fonte: O Globo